Acordes e notas

Até agora falamos bastante sobre o que conseguimos tocar no violão em termos de sons individuais ou notas. Vimos que há 12 notas diferentes que recebem cada uma um nome também diferente e que elas se espalham ao longo do braço do violão. Também foi falado que para encontrarmos essas notas, precisamos de um ponto de referência que é a corda solta (1:E, 2:B, 3:G, 4:D, 5:A, 6:E – que é a afinação padrão), a partir da qual, seguindo a ordem crescente de letras (A, B, C, D, E, F, G), percorremos o braço em direção ao corpo atribuindo uma nota a cada casa ou traste. Ótimo.

Mas o violão é um instrumento que permite fazer muito mais do que isso, como vocês todos percebem (:D). Ele é um instrumento também chamado de polifônico, o que significa dizer que ele foi projetado para ser capaz de produzir mais de um som simultaneamente. E é exatamente nesse ponto que entramos com um conceito que até agora não tínhamos tratado e que é de extrema importância: o conceito de acorde.

Um acorde nada mais é do que um grupo de notas tocado ao mesmo tempo. Porém, precisamos especificar melhor como esses grupos de notas são escolhidos para serem tocados, já que não podemos chamar  um grupo de notas quaisquer de um acorde considerado válido. Apesar de o acorde ter algumas características que podemos usar para o definir e classificar, vou simplificar a discussão e levar em contar uma característica bastante comum, que é o número de notas.  Dessa forma, podemos separar os acordes em 2 grandes famílias: as tríades, que são acordes formados por 3 notas distintas, e as sétimas (também chamadas por alguns de tétrades), que são compostas por 4 notas distintas.

Dentro das tríades, classificamos os acordes em mais 4 grupos diferentes:

  • tríade maior (M)
  • tríade menor (m)
  • tríade diminuta (dim, º)
  • tríade aumentada (aug, +)

Já as sétimas (ou tétrades) se subdividem em 6 grupos de acordes diferentes:

  • sétima maior
  • sétima menor
  • sétima diminuta
  • sétima aumentada
  • sétima dominante
  • sétima menor com quinta bemol ( 7m(b5) )

O que fazemos na prática com esses 10 grupos de acordes? Nós escolhemos uma das 12 notas existentes (A, A#, B, C, C#, D, D#, E, F, F#, G, G#) e montamos o tipo de acorde que desejamos para essa nota de acordo com a fórmula de acorde correspondente (a ser visto em um outro post). Por exemplo, cada uma das 12 notas têm o seu acorde maior associado, o seu acorde menor, o seu acorde diminuto e assim por diante. Desse modo, para a nota C, posso ter um acorde de C M, também conhecido somente como C (dó maior), ou ainda um Cm (dó menor), um Cdim (dó diminuto), ou um C+ (dó aumentado). O mesmo vale para qualquer outra nota escolhida (incluindo as com alterações musicais também) e todas as tétrades.

O principal ensinamento desse post que eu considero e que precisa ficar entendido é a diferença básica mas muito importante entre notas e acordes. O acorde é composto por notas diferentes (3 ou 4), o que nos leva a juntar esses acordes em 2 famílias. Ao mesmo tempo que uma letra representa uma nota, ela pode também representar um acorde de um determinado tipo associado àquela nota (por exemplo, a letra  A pode ser a nota A no braço do violão ou a combinação de 3 notas para formar o acorde A maior).

Era isso, pessoal. Mais informações virão nos próximos posts para esclarecer e exemplificar o uso e a formação de acordes usando fórmulas.

Abrass!

Anúncios
  1. Eba, novo post!!! Tu tá organizando os conteúdos de uma forma muito boa, eu sempre tentei ensinar teoria musical pros meus amigos, mas nunca soube organizar de uma forma didática e compreensível as informações, hehehe! A propósito, podemos fazer acordes com mais de 4 notas, não? Beijos!!!

    • Alow, Bia! Obrigado pelas tuas palavras e pelo apoio ao blog. Fiquei felizão.
      Sobre tua pergunta, as fontes que eu pesquisei (principalmente a Fretboard Logic do Bill Edwards) dizem que existem essas 2 grandes famílias de acordes quando se classifica levando em conta só o critério de notas distintas (3 e 4). Mas realmente não sei te dizer se existem esses acordes ‘quíntuplos’ . Talvez tu esteja pensando o total de notas como sendo as que são pressionadas nas cordas do violão (me corrija se me enganei), o que não seria o caso porque na maioria das vezes pelo menos uma nota da tríade ou tétrade é repetida e tocada em mais de uma corda; mas, na prática, tu vai ter sempre 3 ou 4 distintas mesmo. Por exemplo, se tu pegar o acorde E maior, cujo bordão é a sexta corda (E), tu vai ter as seguintes notas tocadas de acordo com as cordas: 1:E, 2:B, 3:G#, 4:E, 5:B, 6:E. Se tu reparar, a E é tocada 3 vezes, a B, 2 vezes e a G# uma só; elas repetem, mas no final formam sempre a tríade ou a tétrade. Nesse caso a tríade (E G# B) pq o exemplo foi de um acorde maior.

      Abração e obrigado por comentar, bia.
      Espero ter ajudado.

  2. Cara, vi agora por acaso no teu gtalk o link pro blog. Putz, muito jóia, vou acompanhar de perto. Como já te comentei, tô começando a aprender guitarra/violão, mas como minhas aulas têm sido muito voltadas pra prática, tenho sentido falta de um pouco de teoria. Teu blog certamente vai ser uma boa ajuda! Abraço

  3. Thiago :

    Cara, vi agora por acaso no teu gtalk o link pro blog. Putz, muito jóia, vou acompanhar de perto. Como já te comentei, tô começando a aprender guitarra/violão, mas como minhas aulas têm sido muito voltadas pra prática, tenho sentido falta de um pouco de teoria. Teu blog certamente vai ser uma boa ajuda! Abraço

    Opa, Thiago.
    Obrigado por acompanhar e pelo apoio. Espero que este blog seja de utilidade realmente para o pessoal que está aprendendo e para tu também.

    Fique por aqui para mais informações no futuro.
    Abraço!

    • Alan
    • 12 de maio de 2011

    Está REALMENTE de parabéns pelo blog, meu amigo.
    Percebi que faz um tempo que não posta material novo, o que me fez lamentar muito, pois achei EXCELENTE seu trabalho aqui.

    Colocarei o site em meus favoritos e visitarei sempre para ver se há material novo.
    Novamente, meus sinceros parabéns pelo feito!

    • Olá, Alan

      Alegra-me muito saber do teu interesse e apoio ao blog. E mais satisfeito ainda por saber pelo teu comentário que essa informação alcançou o objetivo de ser útil para alguém (visto que o site é mantido apenas como um hobbie). Quanto ao conteúdo novo, peço a compreensão de aguardar mais um pouco. Às vezes é difícil manter a mesma motivação para certas coisas quando várias outras competem pelo seu tempo.

      Obrigado pelo apoio e faça bons estudos na área da música e do violão!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: