O violão e o sistema de 12 notas

Vimos até agora que o primeiro passo para aprender violão e, por que não dizer, aprender música de um modo geral, já foi dado com o sistema de 12 notas. Nesse texto quero mostrar a relação existente entre esse sistema e o violão, comentar a forma prática como identificamos e utilizamos os símbolos de alterações musicais # (sustenido) e b (bemol) quando nomeamos as notas e como se dá o percurso do braço do violão a partir da “rosa das notas” mostrada no post anterior.

O violão é fisicamente composto de várias partes. Para fins de refência e para contextualizar com o sistema de 12 notas, precisamos saber o nome de apenas 3 partes: o corpo do violão (também chamada de caixa de ressonância), o braço e a mão (ou paleta). O corpo é a parte onde o som é produzido propriamente; é basicamente uma caixa oca onde também está localizada a boca do violão (a abertura circular por onde podemos ver seu interior). O braço é a parte maciça e com a face plana onde os trastes (barras estreitas perpendiculares às cordas) estão posicionados e sobre as quais as cordas do violão repousam para serem pressionadas. Por fim, a mão do violão é a extremidade oposta ao corpo, onde as cordas são fixadas nas tarrachas (pequenos cilindros , um para cada corda, controlados por chaves giratórias) e a partir de onde contamos as casas do braço do violão.

Segurando o violão com nossa mão esquerda envolvendo o braço do violão e a mão direita sobre a boca, percebemos que há 6 cordas, contadas a partir da mais fina ou mais aguda (a que está mais abaixo)  em direção à mais grossa ou grave (acima de todas as outras).  Na figura, a pestana marca o início do braço e a primeira casa do violão. A contagem de casas parte sempre da pestana e segue em direção ao corpo.

Esse é o momento de comentarmos sobre as 12 notas e o seu papel. Como vimos, o braço do violão forma uma espécie de matriz de posições, onde as linhas são as cordas e as colunas são os trastes (que delimitam as casas). Cada posição dada pela dupla corda-casa representa uma nota.  A forma como sabemos que nota está associada a cada casa vem do que chamamos de afinação padrão do violão, na qual cada corda tocada de forma aberta (sem pressionarmos casa alguma) emite uma nota específica. A primeira corda, contada de baixo para cima, é a E (mi); a segunda é o B, a terceira é G, a quarta é D, a quinta é A e a sexta corda (mais acima) é a E (mi) novamente. Dessa forma, cada corda tocada aberta é ao mesmo tempo uma nota.

Se sabemos a nota associada a cada corda, podemos percorrer o braço do violão nomeando cada uma de suas posições (coordenada corda-casa) com a ajuda da rosa das notas vista no post anterior. Porém, antes disso, aqui entra um detalhe importante. Você vai perceber que à medida que tocamos cada uma das casas em uma mesma corda do violão a partir da mão em direção ao corpo (subindo), o som resultante aumenta em altura (fica mais agudo). Então, se estamos elevando uma nota, significa que estamos usando o símbolo # (sustenido). Por outro lado, se estivermos descendo do corpo do violão em direção à mão, iremos usar o b (bemol). Tomando a sexta corda (E mais grave) como exemplo, se tocarmos a primeira casa, estamos querendo a próxima nota que segue a nota E, que é o F. Se tocarmos a segunda casa, sabemos que é o F# (ou Gb), pois é a nota seguinte ao F; e assim por diante. Podemos usar o sutenido ou bemol livremente para as posições ou notas com acidentes, pois qualquer denominação é correta. A única diferença é que o # (sustenido) nos diz que estamos subindo da mão do violão em direção ao corpo (de sons graves para sons mais agudos ou mais altos) e o b (bemol) nos informa que estamos descendo do corpo do violão para a mão (de sons mais altos para sons mais baixos ou graves).

A figura abaixo mostra o braço do violão com todas as notas preenchidas em suas respectivas posições corda-casa (a mão do violão está à esquerda e o corpo está à direita). Lembre que a referência é sempre a corda tocada solta (ou aberta) para localizar outras notas. Se estou subindo do braço para o corpo, uso a ordem crescente das notas: A, B, C, D, E, F, G, A, B, C etc. Se estou descendo do corpo para a mão do violão, uso a ordem inversa (A, G, F, E, D, C, B, A, G, F etc). Observe também as notas com # ou bemol no nome.  Em uma determinada posição, usamos o sustenido com o nome da nota à sua esquerda (pois estamos elevando a nota anterior, ou subindo em direção ao corpo do violão para sons mais graves); por outro lado, usamos o bemol em uma nota tomando o nome da nota à sua direita (quando estamos descendo em direção à mão do violão).

Espero que tenha ficado claro para você a aplicação do sistema de 12 notas ao braço do violão. A partir disso, construiremos nosso caminho rumo ao aprendizado descomplicado do violão.

Nos vemos na próxima.

Anúncios
  1. Caraaaaaaaaaaaaaaaaa faz mais de 2034 anos que procuro esse desenho das notas.. ahuahauhu
    mTo fera o blog, continue atualizandoooo!
    Abralçaooo

  2. Comentando o comentário… sobre o desenho das notas, eu realmente acho MUITO útil, porque nunca consegui “enxergar” as notas no braço!!! Eu tenho que ficar calculando… “aqui é Fá… mais duas, Sol…” Hehehe!

  3. bom mesmo esse desenho de notas

    • ismael
    • 23 de fevereiro de 2012

    mto bom mesmo, so nao me acostumei a contar de baixo para cima, parece q fica ao contrario, mas estou estudando para acertar isso… obgdo

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: